domingo, 14 de maio de 2017

Associação Atlética Colatina

Nome :Associação Atlética Colatina
Fundação : 13 de maio de 1978
Local : Colatina
Estádio : Justiniano de Melo e Silva
Títulos : Campeão Capixaba Série A 1990
Vice Campeão Capixaba Série A 1981 e 1989



Outro modelo utilizado pelo "Colá"






Estádio Justiniano de Mello e Silva

Associação Atlética Colatina fundado em 13 de maio de 1978, é até hoje a única equipe capixaba do interior a disputar a 1ª divisão do Campeonato Brasileiro, isto no ano de 1979 com apenas um ano oque valoriza ainda mais a participação. 
A equipe de Colatina disputou o estadual entre 1978 e 1996, além de Séries A, B e C e Copa do Brasil.
Fundada em maio no dia 20 de agosto de 1978 já disputava sua primeira partida em competições oficiais, no Estádio Justiniano de Melo e Silva empate em 0x0 com a Desportiva Ferroviária, exatamente uma semana depois veio  a primeira vitória, e foi contra o Rio Branco em plena capital placar de 1x0. Sua primeira goleada foi aplicada sobre o São Mateus por 3x0.
A campanha da equipe foi acima da média, no turno brigou pelo título até o último minuto, na rodada final venceu o  Estrela do Norte por 1x0 fora de casa mas como contava com tropeço do Rio Branco que venceu a Desportiva pelo mesmo placar não conquistou o título do turno no saldo de gols pois tinha 5 contra 8 do Rio Branco ambos com 12 pontos.
No returno o Colatina caiu de produção terminando apenas em 6º lugar, mas na soma geral a equipe carimbou a vaga para o Quadrangular Final logo em sua primeira participação. No turno 0x0 com Desportiva, 0x0 com Rio Branco e derrota de 2x1 para o Estrela do Norte, no returno empate em 2x2 com Desportiva deixava o Colatina de fora da briga pelo título, encerrando a disputa com derrota por 2x1 para Rio Branco e sua única vitória 1x0 sobre Estrela do Norte.
Estádio Justiniano de Mello e Silva

Em 1979 não obteve classificação para o Quadrangular Final, sua vitória de maior destaque foi os 4x0 sobre o Santos de Barra de São Francisco. Ainda em 79 o Colatina  entrou de vez para a história do futebol capixaba sendo a primeira e única equipe do interior a disputar a Série A do Campeonato Brasileiro, sua estréia foi em 23 de setembro no Justiniano de Melo e Silva contra o Brasil de Pelotas/RS, na 2ª partida derrota de 1x0 para o São Paulo/RS, na 3ª partida empate em 1x1 com a Chapecoense que ainda era apenas um time sem expressão do interior de Santa Catarina. Adválter ao 22 do 1º tempo marcou o primeiro gol do clube capixaba na Série A, mas Jorge empatou na 2ª etapa. A primeira partida fora foi no Paraná diante do Grêmio Maringá com derrota por 2x0, a partida seguinte também foi lá diante do Operário com derrota por 1x0, em casa contra o Caxias/RS nova derrota por 1x0, na partida contra o Criciúma o Colatina conseguiu um feito e tanto, Luís Carlos aos 44 do 2º tempo marcou o gol da primeira vitória colatinense na elite acional calando o Estádio Heriberto Hülse naquele 20 de outubro. Na rodada seguinte o Cola precisava da vitória para ainda seguir sonhando coma vaga e  encarou a Desportiva em casa, os capixabas não saíram do 0x0, melhor para a Desportiva que era vice líder da chave com 11 pontos já o Colatina vice lanterna com apenas 5 era eliminado, na rodada seguinte se despediu da competição com derrota por 3x0 para a Caldense/MG, encerrando assim em 89º entre 94 equipes. 

Em 1980 o Cola foi arrasador vencendo várias partidas no turno, 2x0 no Ibiraçu, 2x0 no Leão de São Marcos, 3x0 Barrense de barra de São Francisco, 2x0 no São Mateus, 1x0 América de Linhares e 1x0 Desportiva, no returno a equipe não foi tão brilhante mas seguiu vencendo e encerrou entre as 4 melhores equipes avançando ao Quadrangular Final, mas lá a derrota por 2x0 para a Desportiva na estréia foi um prenúncio do que viria pela frente, a equipe não conseguia mais jogar da mesma forma do turno e acabou não chegando a brigar pelo título nesta fase.
1980
Em 1981 a equipe brigou pelo título como nunca, começou arrasadora novamente goleando Ordem e Progresso por 3x0, 1x0 no América em Linhares e 3x0 no Vitória, esta goleada sobre o Vitória tirou um peso da equipe que havia sofrido duas vezes este placar e estava engasgado. Foram 12 rodadas até a primeira derrota por 1x0 para o Estrela do Norte, neste meio tempo o Cola aplicou um 3x0 a Desportiva atual Bi-campeã estadual,  Quincas, Guto e Paulo Roberto marcaram os gols, depois desta derrota o Colatina ficou no 0x0 com Vitória e chegava a última rodada com 16 pontos contra 14 da Desportiva que derrotou o Rio Branco por 2x1 chegando aos mesmos 16 pontos do Cola, que jogaria no dia seguinte precisando apenas de um empate para conquistar o título da 1ª fase, mas a equipe perdeu por 1x0 para o Guarapari, isso fez com que Desportiva e Colatina se enfrentassem em uma final.
Na partida de ida no Araripe empate em 1x1, com isso na volta o Colatina impôs seu ritmo e venceu por 2x1 garantindo o título da 1ª fase e vaga na grande final.
Na 2ª fase já classificado o Colatina literalmente parou de jogar, venceu apenas 4 partidas e ficou fora da briga pela 2ª fase, mas como já estava na final não fez muita diferença, mas a torcida do Colatina já havia perdido a paciência com o time que não conseguia ficar mais de três partidas sem perder, estas derrotas principalmente para a Desportiva e para o Rio Branco ambas por 3x0 forma a gota d'água.
Na final o Colatina teria a missão de impedir o Tri-campeonato da Desportiva que chegou a final ao passar pelo Rio Branco após vitória por 2x1 e empate em 0x0. Na partida de ida a torcida do Colatina foi do inferno ao céu em 4 minutos, aos 32 Quincas grande craque da equipe foi expulso, mas aos 36 Ronaldo marcou o gol da vitória do Colatina.
Após a vitória no Justiniano com uma menos o Colatina foi cheio de confiança para o Araripe, estava a um empate de conquistar o título inédito, até os 37 do 2º tempo o Colatina conquistava o título mas Naldo fez 1x0 Desportiva que venceu a partida e forçou o 3º confronto agora com a Desportiva jogando pelo empate, e naquele 6 de dezembro de 1981 o Colatina não conseguiu impedir o feito inédito da Desportiva de conquistar 3 estaduais seguidos, único de sua história, ao Colatina restou comemorar um vice que foi muito sentido, ainda mais pela campanha arrasadora das 11 partidas invictos sendo 8 vitórias.
Ainda em 1981 veio a Série C nacional, esta foi a primeira vez que a competição foi disputada mostrando que o Colatina era obstinado a viver momentos históricos,pena que o time capixaba encarou o Olaria/RJ logo de cara no mata mata, derrota por 3x1 em cassa e e empate em 1x1 fora resultando a eliminação do time ainda na primeira fase, detalhe o Olaria seria o campeão desta competição.
Colatina de 1981


Em 1982 o Colatina seguiu com elenco forte e sedo candidato ao título, tanto que na 1ª fase foi a campeão garantindo vaga antecipada na final após 3 empates com a Desportiva (1x1, 0x0 e 0x0 novamente. 2ª fase já classificado para o Quadrangular Final Colatina teve rendimento decepcionante. 
Já na fase final derrota para Rio Branco por 2x0, vitória sobre a Desportiva por 1x0 e derrota por 1x0 para Guarapari. No returno as derrotas por 2x1 para Rio Branco e Desportiva encerraram qualquer chances de título colatinense, na rodada final a vitória por 2x1 sobre o Guarapari só serviu para encerrar a classificação em 3º lugar.
Novamente no Brasileirão agora na Taça de Prata,o Colatina começou com goleada por 3x0 sobre o Guará/DF dentro do Justiniano, na rodada seguinte o Colatina conquistou um resultado histórico, segurou empate com Corinthians em 1x1 em São Paulo,novamente em casa vitória por 1x0 sobre o Leônico/BA, esta campanha co,ocava o Cola brigando pela vaga, mas a derrota para a Catuense/BA por 2x0 deixava a equipe com 5 pontos empatados com a própria Catuense, na rodada final o Colatina precisava vencer o América/RJ fora de casa que tinha 6 pontos empatados com Corinthians para poder passar de fase, mas oque se viu foi muito nervosismo e o América passeou, venceu por 3x0 eliminando o clube capixaba que ficou em 35º entre 48 equipes.
Em 1983 pela primeira vez ficava de fora das finais sem conquistar nenhum turno, mas em 1984 retornou a fazer boa campanha e mesmo sem vencer turno nenhum chegou ao Quadrangular pelo índice técnico, mas no Quadrangular o Cola não viu a cor da bola, depois de perderem casa por 2x0 para o Rio Branco sofreu um vexatório 4x0 para a Desportiva no Eng. Araripe, não venceu nenhuma das 6 partidas desta fase.
Nesta partida o Colatina mostrou sua força e derrotou a seleção olímpica do Brasil

De 1985 até 1988 o Colatina fez campanhas fracas ficando de fora das finais, em 1989 retornou a briga pelo título chegando ao Quadrangular Final, esta fase contou com Ordem e Progresso de Bom Jesus do Norte e o Estrela do Norte, mas a Desportiva era o grande rival na briga pelo título inédito. O Colatina chegou a penúltima rodada com 7 pontos contra 6 de equipe grená, uma simples vitória do Colatina decretaria o título antecipado para o Colatina,a confiança era enorme afinal o Cola jogava em casa e havia empatado em 0x0 com a Desportiva no Araripe no turno, mas a equipe da capital não era boba e foi pra cima mesmo fora de casa, prova disso foi que abriu 2x0 ainda no primeiro tempo com Wellington aos 17 e Paulo Henrique aos 40 minutos, Garrafa descontou aos 26 do 2º tempo mas a derrota por 2x1 deixou a torcida tão irritada que bandeiras do clube foram parar no Rio Doce que fica próximo ao estádio, na rodada final a Desportiva venceu o Ordem e Progresso e confirmou o título, outra vez o Colatina ficava no quase. No ano de 1989 a equipe jogou a Série B nacional, começou com confronto caseiro, empate em 0x0 com Rio Branco, perdeu para o Itaperuna/RJ em casa, empatou com a Cabofriense no Rio de Janeiro em 1x1, ainda no Rio derrota por 2x1 para o Americano, em casa outro confronto caseiro, agora com a Desportiva que terminou com vitória do time grená por 2x1, começando o returno derrota por 3x0 para o Rio Branco no Kleber Andrade, derrota por 4x2 para Itaperuna do Rio, em casa nova derrota, agora por 2x0 para Cabofriense contra Americano em casa placar se repetiu com isso a equipe estava eliminada da competição, encerrando conseguiu sua única vitória 2x0 sobre a Desportiva encerrando 93° lugar entre 96 clubes participantes.

Matéria da Revista Placar com o Colatina campeão

Em 1990 no 1º turno o "Colá" venceu 6 das suas 9 partidas. As 4 vitórias seguidas sobre Castelo 2x1, 1x0 Vitória, 1x0 Guarapari e 2x1 no Estrela do Norte praticamente encaminharam a classificação antecipada ao Triangular Final que foi sacramentado com a "surra" de 5x1 no Muniz Freire.
No returno o time de desencontrou, talvez por ter a classificação nas mãos relaxou, foram 8 partidas, apenas 1 vitória, 3 empates e 5 derrotas, se no turno havia marcado 5x1 no Muniz Freire agora levava de 4x1 do mesmo adversário em casa. A torcida estava tensa para o triangular final, tanto que chegou vaiar o time no final do 2º turno. 

Cola na capa da Revista Placar campeões 1990

Nesta fase encarou Guarapari (campeão 87) e Desportiva (campeão 86 e 89). A estréia foi contra a Desportiva no Estádio Justiniano de Mello e Silva, vitória por 1x0, contando com o empate em 0x0 entre Desportiva e Guarapari na 2º rodada o Colatina jogaria pelo empate na última rodada no Estádio Davino Matos para conquistar o título, a torcida do Guarapari lotou, queria o bicampeonato, mas a equipe comandada por Zuza campeão em 88 no Ibiraçu era mais experiente e soube suportar a pressão. Aos 31 do 1º tempo Arildo Ratão fez 1x0 Colatina, deixando o tão sonhado título mais perto que nunca, a taça ficava ainda mais perto, o Guarapari precisava virar para ser campeão, mas o máximo que conseguiu foi um empate que só veio aos 43 do 2º tempo com Cacau contra, mas a festa foi do Colatina finalmente, Campeão Capixaba de 1990. Em 1º de julho o Cola recebeu o Flamengo/RJ para um amistoso entrega de faixas e foi derrotado por 1 score a zero.

Campanha do título
1º Turno
Colatina 2x1 Castelo
Vitória 0x1 Colatina
Colatina 1x0 Guarapari 
Colatina 2x1 Estrela do Norte
Ibiraçu 1x0 Colatina 
Colatina 1x0 Rio Branco
Ordem e Progresso 1x1 Colatina 
Colatina 1x1 Desportiva
Muniz Freire 1x5 Colatina

2º Turno
Castelo 0x2 Colatina
Colatina 1x1 Vitória
Guarapari 2x1 Colatina
Estrela do Norte 1x0 Colatina
Colatina 1x1 Ibiraçu
Rio Branco 1x0 Colatina
Colatina 1x1 Ordem e Progresso
Desportiva 1x0 Colatina
Colatina 1x4 Muniz Freire

Triangular final
Colatina 1x0 Desportiva
Guarapari 1x1 Colatina
Enfim o Colatina pode soltar o grito de campeão
















Atual campeão capixaba joga a Série C devido a campanha de 1989, começou a campanha com 0x0 com América/MG, na 2ª rodada uma vitória muito comemorada, enfim o Colatina derrota o América/RJ, grande vitória por 3x1, o 0x0 com Lagarto/SE deixava o Colatina com 4 pontos contra 6 do América/MG mas com uma partida a menos, uma simples vitória daria vaga inédita para o clube, mas acabou não saindo do 1x1 com Fluminense/BA em feira de Santana sendo eliminado.

Equipe na entrega das faixas de campeão

Em 1991 o atual campeão começou meio perdido a competição, nas primeiras 9 rodadas foram 4 vitórias e 4 derrotas, a campanha começou mudar após os 3x1 sobre a Desportiva, depois disso derrotou São Mateus por 2x1, perdeu para o Linhares por 2x0 e engatilhou uma sequência ótima, aplicou 3x0 no Rio Branco e 4x1 no Vitória, depois 1x0 no Ibiraçu deixavam a equipe com 18 pontos contra 19 da Desportiva, na última rodada o Colatina precisava fazer sua parte e secar, fez muito bem ao golear  por 3x0 o Aracruz, mas para avançar a Desportiva não poderia derrotar o Industrial em  Santa Maria, mas a vitória grená por 1x0 eliminou o Colatina das semi finais. Durante o estadual veio a Copa do Brasil onde encarou o Santa Cruz/PE, a partida de ida foi em 21 de fevereiro no Justiniano, o Santa fez 1x0 com Válber aos 18, Ederlane empatou aos 25, mas aos 29 Marcão fez 2x1 Santa, aos 42 Vinicio empatou em 2x2 para o Colatina, mas na 2ª etapa Rivaldo aos 15 minutos encerrando em 3x2 para os pernambucanos. No dia 28 aconteceu a partida de volta, e Rivaldo aos 2 do 2º tempo colocou o Santa Cruz na frente e o placar foi até o fim n Arruda em 1x0. 
O atual campeão estadual agora buscava vida melhor na Série B do Brasileiro, e começou com triunfo por 2x0 sobre Itaperuna/RJ, na 2ª rodada outra vitória,  3x2 sobre o Fluminense de Feira de Santana/BA, o primeiro tropeço foi contra o América/RJ fora de casa por 2x0, em nova partida naquele estado derrota por 2x1 para o Americano,voltando jogar em casa outra vez a Desportiva em seu caminho e outra vez derrota por 2x1. Empate com Confiança/SE em 1x1 fora e 0x0 com Catuense/BA em casa, derrota por 4x2 para Itaperuna/RJ empate 1x1 com Fluminense na Bahia deixaram o Colatina distante da briga pela vaga, quando encarou a Desportiva no Engenheiro Araripe e sofreu uma goleada de 3x0 a equipe estava praticamente eliminada, mas o Colatina não havia entregado os pontos, mesmo assim venceu Confiança/SE em casa por 2x1, conseguiu derrotar a Catuense fora de casa oque era algo muito difícil por 0x2 e depois derrotou o Americano/RJ por 1x0 em casa, só parou no América/RJ placar de 1x1 em casa 30° lugar  entre 64 clubes.

Na equipe de 1991 na Série B do Brasileiro uma grande curiosidade, o primeiro jogador agachado da esquerda para direita se chama Neymar o pai de Neymar Jr jogador do Santos, Barcelona, PSG e seleção brasileira.

Em 1992 e 1993 campanhas médias, não encheu os olhos mas também não deu vexame, e ali já sofria muito com problemas financeiros. Em 1994 a coisa começou ficar feia, em um estadual de pontos corridos com 30 partidas o Colatina só saiu vencedor em 8 delas, o começo foi até animador, isso nas duas primeiras rodadas, depois de vencer Rio Branco de Venda Nova (2x0) e Nova Venécia (1x0), depois disso foram longas 9 partidas sem vencer, venceu Vitória (4x2), Mariano de Aracruz (1x0) e Aracruz (2x1), empatou com Comercia de Alegre (0x0) e venceu Muniz Freire (1x0), aí vieram 3 derrotas seguidas, a recuperação veio em grande estilo 5x1 no Estrelado Norte, mas este ponto o Colatina apenas tentava escapar do rebaixamento e só foi conseguir isso graças a vitória por 2x0 sobre o Rio Branco em Venda Nova.

Em 1995 das 9 equipes da chave 6 avançavam, e o Colatina só avançou na última rodada após os 3x1 sobre o Santa Tereza, mas na 2ª fase só decepção suas únicas vitórias foram 2x1 sobre Rio Pardo e 3x0 sobre o Comercial de Alegre, a equipe ficou em 5º entre 6 equipes fora das semi finais.

Em 1996 o Colatina disputou pela última vez uma competição oficial, no estadual daquele ano no 1º turno venceu Vitória por 1x0, perdeu para Rio Branco e Desportiva por 1x0 e 4x2 para Linhares, na rodada de encerramento já sem chances de levar esta fase derrotou São Mates por 2x1, ficou com 6 pontos metade da pontuação do Linhares campeão desta turno.
Na 2ª fase, atropelou o Vitória por 4x0 e depois venceu Rio Branco por 1x0, parou na Desportiva derrota de 2x0 e empatou com Linhares em 0x0 e São Mateus em 1x1, ficou com 8 pontos 3 atrás da Desportiva campeã do deste turno. Vem o 3º turno e última chance de avançar para a fase final, começou com derrota para o Mimosense por 1x0, se recuperou ao derrotar o Comercial de Alegre por 3x1 e 2x1 sobre Muniz Freire, mas nas 3 rodadas seguintes com salários atrasados perdeu para Rio Pardo e Rio Branco de Venda Nova ambos por 1x0 e contra o Alfredo Chaves e 6 de junho disputou sua última partida pelo estadual, derrota por 2x1. 

Colatina no estadual de 1996

Após o estadual o desafio foi a Série C, que na sua primeira fase foi caseira, o Colatina encarou Estrela do Norte e Vitória. Começou derrotando Vitória 1x0, derrota para Estrela do Norte por 1x0, no returno ao derrotar o Estrela do Norte por 2x1 garantia a vaga na próxima fase pois chegava aos 6 pontos e mesmo perdendo para o Vitória por 2x0 na rodada final ficou a frente do rival que ficou com apenas 6 conquistou a vaga. No mata mata encarou o Fluminense/BA, em Feira de Santana derrota por 2x0 complicou a vida do Cola, na volta o Colatina venceu por 1x0 mas acabou de fora da fase seguinte, esta ficou marcada por ser a última partida oficial do Colatina em competições oficiais, em 10 de novembro. Após esta partida o Colatina seria extinto pouco tempo depois deixando a cidade colatinense saudosa até os dias de hoje com campanhas brilhantes desta equipe.

Um grande ídolo do Colatina foi Kinkas(Quincas), uma passagem interessante é sobre sua devoção a São Jorge, e uma entrevista para Revista Placar  outubro de 1982, contou que encarava os zagueiros como se eles fossem o dragão. E se não posso esmagá-los com a espada, pelo menos roubo o "bicho" deles. Assim, consigo ser um dos principais artilheiros do futebol capixaba nos últimos três anos.  Joaquim Rodrigues Caldeira, o Kinkas infelizmente faleceu vítima de câncer  aos 66 anos de idade, que faleceu na madrugada de sábado para domingo, dia 16 de julho de 2017. Na foto Kinkas em seu jogo de despedida ao lado de Dada Maravilha.








Um comentário: