segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Estrela do Norte Futebol Clube

Nome : Estrela do Norte Futebol Clube
Fundação : 16 de janeiro de 1916
Local : Cachoeiro de Itapemirim
Estádio : Mário Monteiro "Sumaré".
Títulos : Campeão Capixaba Série A; 2014
Campeão Capixaba Série B; 1996 e 1999
Copa Espírito Santo; 2003,2004 e 2005

Campeonato Sulino; 1954, 1955, 1964, 1965, 1966 e 1968

Taça Newton Braga; 1963, 1964 e 1965.

Vice Campeão Capixaba Série A; 1987, 2001, 2004, 2005 e 2006.

Vice Campeão Capixaba Série B; 2010 e 2012.

Vice Campeão Copa Espírito Santo; 2006

Escudo utilizado principalmente nos anos 80, 90 e 2000
Após o fracasso no ano de centenário o Estrela do Norte muda mais uma vez seu escudo agora voltando ao estilo adotado a partir dos anos 80 com uma pequena diferença o "União e Progresso" sai dando lugar a "Estrela do Norte"




Completar 100 anos é uma tarefa difícil no futebol, no futebol capixaba mais ainda, o Estrela do Norte Futebol Clube é uma das poucas equipes centenárias no Espírito Santo. 

O clube foi fundado em 16 de janeiro de 1916 na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, manda no estádio Mário Monteiro o Sumaré. Nasceu Foot-Ball Club e se tornou Futebol Clube na década de 40. O Botafogo/RJ foi a inspiração, tanto que o primeiro escudo e uniformes eram idênticos ao do clube carioca.
Na década de 60 foi utilizado este modelo

Vista panorâmica do Estádio Mário Monteiro

A fundação se deu próxima ao Colégio Liceu Muniz Freire, nela estavam Laurentino Lugon, Mário Sampaio, Orlando Nunes, Amphilófio Braga, João Viana, Estulano Braga, Deusdedit Cruz, Fernando Reis e Francisco Penedo, que são considerados os fundadores do clube. Francisco Penedo foi escolhido como o primeiro Presidente do Clube.

A primeira Sede é onde hoje é o Tiro de Guerra e o primeiro campo foi no pátio do Liceu Muniz Freire, Zona Norte da cidade, daí o nome Estrela do Norte.

As primeiras cores do Estrela do Norte eram verde e amarelo, e o primeiro time Estrelense foi formado por: Pedro Tanure, Antonio Cruz, Belmiro, Adão, Barão, Dodoca, Erly, Vivi, Mine, Cezarino e Lauro.

Por volta da década de 30, o Estrela transferiu o seu campo para o Bairro do Sumaré, onde está até hoje. 

Início das obras no Estádio Sumaré. No início o campo era aberto, depois com muito esforço a Diretoria conseguiu cercar o Estádio com varas de bambu, tábuas  vistas na foto, mais tarde conseguiu murar.



Os ingressos para os jogos eram vendidos no Armazém “Estrela”, sob o comando do Sr. Oswaldo Lima. O primeiro lance de arquibancadas foi sob o comando de José Cocco e Otávio Mesquita, depois veio o aterro comandado pelo Sr. Mário Monteiro e a criação da Banda de Música “Estrela do Norte”, pelo Maestro Raul Sampaio e Mário Sampaio. Alfredo Duarte de Abre e Armando Lunz, o “Seu Lico”, fizeram os melhoramentos na iluminação do Estádio. Darcy Brum, Délio Lima, Gerson Moura e José Cocco, colocaram vestiários, alambrados, traves e aumentaram arquibancadas.



A equipe tem larga tradição em solo capixaba, são pelo menos 40 participações na Série A capixaba, 5 na Série B mais 5 Copas Espírito Santo. Além de vários Campeonatos Sulinos onde o clube possui 6 conquistas perdendo apenas para o maior rival Cachoeiro Futebol Clube que possui 7.

Falando em Cachoeiro, esta rivalidade já tem mais de 100 anos afinal ambos são de janeiro de 1916 e em abril do mesmo ano entraram em campo pela primeira vez com placar de 0x0. 
Outros rivais que a torcida mais gosta de ver o time vencer são Castelo, Itapemirim, Desportiva, Rio Branco, São Mateus, Comercial de Alegre, Muniz Freire. Essas rivalidades vem forte desde  os campeonato sulinos.
Equipe campeã Sulina de 1966




A primeira partida noturna no Espírito Santo envolveu o Estrela do Norte, a partida foi disputada em Cachoeiro de Itapemirim no Estádio Mário Monteiro o Sumaré, a partida foi entre Estrela do Norte Futebol Clube donos da casa diante do visitante Sport Club Commercial de Muqui em 14 de agosto de 1931 e terminou com vitória do Estrela por 2 tentos a 1.

O ano de 1931 inclusive foi movimentado para a equipe do Estrela que fez amistosos com várias equipes inclusive recebeu equipes da capital em sua casa uma delas o Santo Antônio Futebol Clube . A partida teve o Estrela melhor na primeira etapa abrindo o placar logo aos 5 minutos com Avelino, mesmo com melhor rendimento em campo o Estrela sofreu empate no fim do 1º tempo de cabeça, na volta do intervalo o Estrela seguiu melhor, muito por conta do cansaço do Santo Antônio que disputava sua 7ª partida em 9 dias, o 2º gol estrelense saiu de pênalti que Raynor marcou e fez, esta partida ocorreu começo do mês de março de 1931.





Foto de 1942, o time foi Bi campeão cachoeirense 42/43



Em 1963 começou a "era profissional" no Espírito Santo, a Federação exigiu o fim de times semi profissionais disputando o estadual, antes times amadores poderiam disputar mas a partir deste ano todos os clubes participantes do estadual teriam que pagar salário aos seus jogadores, oque não acontecia antes com equipes de menos expressão. Até mesmo o Campeonato Suburbano que era a porta de entrada para a Série A foi extinto devido esta mudança um tempo depois igual várias equipes neste período. A partir deste ano de 1963 


a Taça Cidade de Vitória passou a ser uma competição separada do Campeonato Estadual, até 62 o campeão da Taça Cidade de Vitória era declarado campeão capixaba quando não era uma final entre o campeão dela e o sulino.
O Estrela na década de 60 disputou o estadual em 1964/65/66/68 e 69,sendo 1965 e 1966 suas melhores colocações com o 4ª lugar geral, atrás apenas de Desportiva, Vitória e Rio Branco o grande "Trio de Ferro" que dominava o futebol capixaba. Nos anos 60 o Estrela era quase sempre a melhor equipe do interior no
estadual.

No estadual de 1970 o Estrela conquistou 4 vitórias entre elas 2x1 e 2x0 no Industrial de Linhares e 3x2 no Santos de Barra de São Francisco, foram 4 vitórias em 14 jogos, 5 empates e 5 derrotas, 11 gols marcados contra 15 sofridos, 4º lugar entre 8 equipes.



Após o estadual de 1971 o Estrela só retornaria novamente em 1977, durante este período seu foco foi os campeonatos sulinos e competições amadoras. Neste período enfrentou até o gênio lendário Garrincha, em 12 de setembro de 1792 o Estrela enfrentou o Alegrense Futebol Clube de Alegre em amistoso que contava com o "Mané", mesmo com a derrota por 3x1 o Estrela não sofreu gols de Garrincha mas a própria torcida delirava quando o craque pegava a bola e partida para cima da marcação, mesmo já com o peso dos anos nas costas Garrincha quando balançava deixava a marcação tonta, o primeiro gol foi passe dele inclusive. 




Voltando ao estadual em 1977 o Estrela fez uma campanha memorável. Encarou os grandes da capital como nunca ha via feito, bateu seu recorde de vitórias, foram 12 em 30 partidas, Começou empolgando a torcida com a vitória por 3x1 sobre o Caxias em casa, após dois empates atropelou o III de Maio por 4x0, depois de perder em casa para o Vitória por 2x1 se recuperou em grande estilo goleando o Industrial por 4x0 em Linhares, nas 5 rodadas seguintes empatou 4 perdeu 1, voltou a vencer e outra vez com goleada, 4x0 sobre o Ceunes de Vitória no Sumaré, fechou o turno com empate em 0x0 com o Guarapari fora de casa com isso encerrando na 4ª posição  com 16 pontos, contra 20 do líder Vitória, 19 da Desportiva e 17 do Rio Branco.


Após a classificação com folga já que dos 14 os 8 melhores avançava, começa a luta pela vaga no Quadrangular final, começa com 2 empates e 1 derrota, vence duas seguidas 2x0 no Santo Antônio e 1x0 no Vitória, após 1 empate e 1 derrota conquista empolgantes 3 vitórias seguidas 1x0 no São Mateus, 3x1 no Rio Branco e 2x0 no Santo Antônio entrando de vez na briga por uma das 4 vagas, depois de perder para a Desportiva e empatar com Guarapari chega a última rodada com 14 pontos, mesmo número de pontos do Rio Branco e do Guarapari, Santo Antônio e Vitória com 12, todos na briga pelas vagas, restava apenas duas vagas pois uma era da Desportiva a outra viria da Repescagem que reunia os 5 times eliminados na primeira fase. O Estrela por ter saldo melhor dependia apenas de uma vitória para avançar e venceu, 2x0 sobre o Veneciano e com isso chega a fase final do estadual pela primeira vez.
Esta fase seria turno único com os dois melhores fazendo a grande final. O Estrela conquistou ótimo resultado ao empatar em 0x0 com o Rio Branco fora de casa, mas a tabela foi ingrata com a equipe que na rodada seguinte enfrentava a Desportiva também fora de casa, com a derrota por 1x0 viu o Rio Branco vencer o Industrial e ficar 2 pontos a frente, isso obrigava o Estrela vencer e torcer por derrota do rival, venceu por 1x0 o Industrial mas com a vitória do Rio Branco por 3x2 sobre a Desportiva viu a vaga na final ir embora, não se sabe se foi praga do Estrela mas na final o Rio Branco que "roubou" a sua vaga acabou com o vice.   



Em 1978 o Estrela novamente veio forte, após empate em 1x1 com São mateus derrotou Santo Antônio por 3x1 e Ordem e Progresso por 2x0, perdeu para o Guarapari por 1x0, e enfim conseguiu derrotar a Desportiva oque era muito difícil de acontecer, ficou no 1x1 com Castelo e voltou a vencer 2x0 no Rio Branco, depois de empatar com o Vitória e perder para o Colatina por 1x0 encerrou em 3º lugar e sem perder para nehuma equipe da capital.
No returno voltou a derrotar o Santo Antônio provando que era carrasco do time da capital 1x0. Derrotou o Ordem e Progresso 2x0 e segurou empate com a Desportiva no Araripe em 0x0, derrotou Guarapari 1x0 empatou novamente com Castelo em 1x1, derrotou o Rio Branco fora de casa por 2x0, 1x0 no São Mateus e 1x0 no Vitória, provando que havia aprendido a encarar os times da capital, chegou a última rodada líder e caom chance de ser campeão do returno algo inédito, na partida diante do Colatina o Estrela chegava com 14 pontos contra 13 da Desportiva e 12 do Rio Branco que se enfrentariam, o Estrela em casa estava pronto para levar o troféu mas acaboui novamente sendo derrotado pelo Colatina 1x0, com isso viu a Desportiva chegar aos 14 e foi forçado a fazer uma final contra a própria equipe grená. No dia 22 de novembro o Estrela entrou em campo no Sumaré para ser campeão, cheio de confiança por não perder nenhuma das 8 partidas contra os 4 da capital o time e torcida estavam com a confiança lá em cima, mas o futebol é cruel e o Estrela viu a Desportiva vencer por 2x1 e conquistar o título do returno.

Mas não havia tempo para lamentações o Quadrangular final começava 5 dias depois, mas Estrela perdeu para o Rio Branco por 1x0 em casa, mas jogando fora venceu a Desportiva pela primeira vez fora de casa por 1x0, na rodada seguinte o Colatina que vinha sendo um adversário indigesto foi enfim derrotado por 2x1. O Estrela fechava o turno na liderança junto com o Rio Branco com 4 pontos, no returno a derrota por 1x0 para o próprio fez a equipe ficar a dois do Rio Branco e ver a Desportiva empatar em número de pontos, a partida seguinte contra a Desportiva no Sumaré era uma decisão, ao perdedor a briga pelo título ficaria impossível dependendo do resultado de Rio Branco e Colatina, o Rio Branco venceu por 2x1 e pulou para 8 pontos, e o Estrela viu mais uma vez a Desportiva vencer na sua casa, o 1x0 acabou com as chances do Estrela que mostrava queda de rendimento e na última rodada também foi derrotado pelo Colatina por 2x1 encerrando em 4º lugar esta fase, na pontuação geral o time foi novamente o 3º atrás de Rio Branco campeão e Desportiva vice. 

Equipe do Estrela do Norte no ano de 1978
Em 1979 mesmo com belas campanhas o Estrela não participou do estadual, retornou em 1980. Desta vez não brigou pelas vagas na fase final, mas terminou em 5º atrás apenas dos 3 da capital, mais o Colatina que começava tomar o seu lugar de sensação do interior, mesmo assim o Estrela goleou o Colatina por 3x0 na 1ª fase, outro destaque foram os 4x0 no Santo Antônio que quase toda vez enfrentava o Estrela e saia com derrota. No clássico contra o Castelo novamente ninguém venceu como já havia acontecido em 77 e 78.  

Em 1981 campanha semelhante a anterior, mas desta vez conseguiu brigar diretamente pelas duas vagas na final, não se classificou mas pode comemorar goleada de 3x0 sobre o Vitória em plena casa rival, aplicou um 3x0 no Ordem e Progresso também esta em casa.


Em 1982 o time ficou marcado por empatar demais, das 14 partidas empatou 8, 7 delas em 0x0, venceu apenas uma vez 2x1 sobre o Colatina e passou longe de lutar por uma das 4 vagas.


No estadual de 1983 depois de derrotar o Guarapari na estréia por 1x0 o Estrela ficou 15 partidas consecutivas sem vencer,  quebrou a péssima sequência ao derrotar o Rio Branco por 1x0, depois disso só 1x0 no Vitória e nada de brigar pelas vagas na fase final, terminou sem golear ninguém outra vez  e ainda sofreu um 4x1 da Desportiva em pleno Sumaré.


Em 1984 novamente a equipe não foi brilhante, teve chances reais de chega ao Quadrangular Final. Foram 3 turnos na 1ª fase, no 1º o Estrela ficou em 4º no grupo com Desportiva, Ordem e Progresso e Guarapari. No 2º turno melhorou um pouco e foi o 2º 2 pontos a menos que a Desportiva líder. Enfim no 3º turno entrou forte, venceu o Guarapari por 2x1 depois empatou com o Colatina por 0x0 e 1x1 com a Desportiva, empatou com o Colatina novamente 1x1, derrotou a Desportiva por 1x0 e empatou com o Guarapari em 1x1, este empate no Davino Matos valeu a vaga na final deste turno contra o Rio Branco líder da outra chave, o título valia vaga no Quadrangular final além de um ponto de bônus, o Estrela tinha que ser campeão pois na classificação geral estava atrás do Colatina e em caso de derrota seria eliminado. Na ida no Sumaré a derrota por 1x0 acabou deixando tudo muito mais difícil, na volta na capital com a derrota por 2x0 para o Rio Branco a chance de ir a fase final acabou ali.


Em 1985 e 1986 o Estrela ficou entre o 3º e 6º lugares sem muito brilho, em 1986 vale destacar outra goleada no Colatina por 4x0.


Em 1987 outra vez o time entra forte na briga pelo título, o clube cachoeirense começou com tudo, derrotou Colatina por 1x0 em casa, Vitória por 2x0 fora, Guarapari por 1x0 fora e Desportiva por 2x0 em casa, só parou ao empatar com o Rio Branco em 1x1 mas voltou a vencer por 2x0 o Ordem e Progresso, com isso encerrou líder do turno e foi para o Quadrangular da 1ª fase cheio de confiança, mas parece que na hora da decisão sempre fica faltando algo mais ao Estrela, mas o 3x0 no Ibiraçu e os dois 0x0 com a Desportiva e com o Guarapari fora de casa aumentaram a confiança da torcida que desta vez era a hora de comemorar um titulo. Depois de empatar com o Ibiraçu em 1x1 e derrotar o Guarapari por 1x0 o Estrela agora encarava a Desportiva precisando vencer pois tinha 6 pontos contra 7 do rival, isso graças a derrota por 1x0 em casa para os grenás no na 3ª rodada, o placar não passou de um 0x0 e outra vez a torcida do Estrela sofria com uma morte na praia.

Mas o returno a história foi diferente, nem a goleada por 3x0 para o Guarapari abateram o time que avançou para o Quadrangular desta fase na 4ª colocação no limite. 
Começou o Quadrangular vencendo o Guarapari por 2x1, fez 2x1 no Ibiraçu e empatou em 1x1 com a Desportiva, rendimento bem melhor que da fase anterior, buscou o 1x0 sobre o Guarapari fora de casa e ao derrotar o Ibiraçu por 1x0 já conquistava o título desta fase com uma rodada de antecipação a festa do título foi comemorado com a vitória por 2x1 sobre a Desportiva no Sumaré.
No Quadrangular Final eram Estrela, Guarapari, Ibiraçu do interior e apenas a Desportiva da capital, uma amostra de como estava ficando o futebol capixaba com equipes interioranas chegando forte com apoio de suas prefeituras. Começo a fase com derrota em casa para o Guarapari por 1x0, se recuperou derrotando o Ibiraçu por 3x2 mas perdeu novamente em casa para a Desportiva por 2x1, conseguiu derrotar o Guarapari por 2x1 fora de casa onde estava jogando bem melhor que em casa, com a vitória por 2x1 sobre o Ibiraçu a primeira em casa nesta fase o Estrela chegou a última rodada com 7 pontos contra 8 do Guarapari, o Estrela enfrentava a já eliminada Desportiva no Araripe precisando vencer e torcer para o Guarapari não vencer o Ibiraçu em casa que também já estava eliminado, na verdade o Estrela por ter saldo de 1 contra 3 do Guarapari torcida por uma derrota do rival e com a sua vitória para levar o título inédito, mas além de perder para a Desportiva por 2x1 viu o Guarapari empatar em 1x1 e levar o título. Mas a torcida do Estrela também comemorava o seu primeiro vice campeonato, e de quebra participaria pela primeira vez de uma competição nacional.
No segundo semestre veio a  estréia em território nacional , nem tão nacional assim pois foi em Cariacica no Engenheiro Araripe contra a Desportiva em 12 de outubro, Estrela acabou caindo pelo placar de 3x0, mas na estréia em casa uma semana depois venceu para alegria da torcida, 1x0 sobre o Americano/RJ, depois perdeu para Juventus/SP por 1x0 em casa e venceu a Desportiva por 1x0 em casa, a primeira partida fora do estado foi em Campos contra o Americano derrota por 1x0 e na despedida da Série C, perdeu por 4x0 para o Juventus em São Paulo, 19º lugar entre 24 equipes.

Em 1988 novamente o Estrela se classificou para o Quadrangular Final, após 4 vitórias 1 empate e 3 derrotas na 1ª fase. 

Na fase final o desempenho caiu, perdeu por 2x1 para a Desportiva em casa na estréia, 3x0 para o Rio Branco fora e 2x1 para o Ibiraçu em casa, nova derrota por 1x0 para a Desportiva, a única vitória da fase foi um 4x3 sobre o Rio Branco que foi apagado depois do 3x0 para o Ibiraçu, o Estrela via novamente um clube do interior levantar o troféu.

Durante a década de 90 o Estrela teve dificuldades para repetir as belas campanhas dos anos 90, em 1994 que o desempenho foi satisfatório quando o time alcançou a 3ª colocação atrás apenas de Desportiva e São Mateus, naquele estadual foram dois turnos pontos corridos e o Estrela conseguiu vencer metade dos compromissos, as 15 vitórias foram nas seguintes partidas...Turno ; 1x0 Muniz Freire, 1x0 Nova Venécia, 1x0 Colatina, 1x0 Linhares, 2x1 Alfredo Chaves, 2x1 Rio Pardo, 1x0 Comercial de Alegre.

Returno ; 2x1 Muniz Freire, 5x0 São Mateus, 2x0 Rio Branco da Capital, 1x0 Linhares, 5x1 Alfredo Chaves, 3x2 Rio Pardo, 3x1 Rio Branco de Venda Nova, 2x1 Comercial de Alegre. Esta campanha valeu vaga na Série C do Brasileiro de 1995.

Em 1995 o 1º semestre veio como uma bomba explodindo no Sumaré, o Estrela fez uma campanha muito fraca e na sia chave onde de 9 equipes 6 avançavam a fase seguinte o Estrela terminou em 8º com apenas 5 vitórias em 16 partidas eliminado, para piorar as equipes eliminadas na 1ª fase eram rebaixadas automaticamente para a Série B de 1996.

Após o rebaixamento veio a participação no Brasileiro, a primeira partida empolgou o torcedor, vitória por 3x1 sobre o Rio Branco no Kleber Andrade, duas partidas seguidas em casa com empates em 1x1 contra Campo Grande/RJ e Barra/RJ. No returno vitória por 2x1 sobre o Rio Branco, depois e empatar em 0x0 com o Campo Grande eliminando o rival, o Estrela tinha grandes chances de classificar pois com 9 pontos estava na frente do Barra com 7 e Rio Branco 6, o Estrela encarou o Barra no Rio de Janeiro jogando pelo empate mas acabou perdendo por 1x0 vendo o adversário classificar e para piorar com a vitória por 1x0 do Rio Branco sobre o Campo Grande acabou eliminado no número de vitórias, pois venceu apenas duas ambas contra o Rio Branco que venceu 3, a classificação foi perdida nas 3 partidas seguidas em casa com apenas uma vitória, encerrou em 68º entre 107 equipes.



Em 27 de outubro de 1996 terminava o "menor campeonato do mundo", a segunda divisão capixaba contou com apenas dois clubes, Sport Club Capixaba de Guaçuí e o Estrela do Norte de Cachoeiro de Itapemirim, isso graças a desistência de Aracruz, Nova Venécia, Guarapari, Castelo, Botafogo de Jaguaré e Santa Tereza, era época de eleição o dinheiro que seria investido nos clubes foi usado nas campanhas eleitorais.


A partida de ida foi em 20 de outubro em Guaçuí no Estádio Municipal Francisco Lacerda Aguiar terminando com o placar de 0x0. Na volta em Cachoeiro no Sumaré o Estrela venceu por 2x0 conquistando o título mais fácil da sua história! Boiadeiro e Eduardo Orsai foram o "artilheiros" da competição.
Abaixo matéria da Revista\ Placar sobre o menor campeonato do mundo.









No mesmo ano o Estrela estava na Série C do Brasileiro novamente, contando apenas co  capixabas na sua chave o Estrela avançou para a 2ª fase pela primeira, em 4 jogos foram 3 vitórias, 1x0 sobre o Colatina 2x1 e 2x0 no Vitória perdeu apenas para o Colatina por 2x1, esta derrota quase lhe custa a classificação pois estava com 9 pontos contra 6 do Colatina que em caso de vitória sobre o Vitória avançaria mas perdeu por 2x0 salvando a pele do Estrela. No mata mata o Estrela encarou o Rio Branco/SP, na ida no Sumaré venceu por 2x1 e agora jogava pelo empate para avançar, mas no Estádio Décio Vitta sofreu um vareio, derrota por 4x1 dando adeus a competição em 21º entre 58 equipes.


Em 97 de volta a série A capixaba sofreu um acachapante 6x0 do São Mateus na 2ª rodada, na rodada seguinte perdeu para o Comercial de Alegre em casa por 2x0, depois disso engrenou e venceu 4 seguidas, 2x0 no Rio Pardo e Capixaba de Guaçu ambas fora, 1x0 no Aracruz em casa e 1x0 na Desportiva fora de casa, essas vitórias jogaram o time para o topo da tabela terminando o turno em 4º lugar. 

No returno começou melhor e conseguiu vencer 4 partidas consecutivas novamente, 1x0 no São Mateus, 2x0 Comercial em Alegre, 5x0 Rio Pardo em casa e 1x0 no Capixaba de Guaçuí, quase foi campeão dor returno, terminou  apenas 2 pontos atrás da Desportiva campeã. Com campanha somada entrou como 3º colocado na classificação geral e avançou as semi finais. Acabou enfrentando o Linhares e os 4x0 que sofreu em plena sua casa deixaram a vaga quase impossível e na volta voltou a perder, o 2x0 só confirmava oque todos esperavam a classificação do Linhares após a goleada na ida.


No ano de 1998 uma das piores campanhas da história do clube, só conseguiu uma vitória na 13ª rodada sobre o Aracruz por 1x0 encerrou lanterna da competição e rebaixado retornava a série B em 1999.


Em 1999 o Estrela do Norte se tornou campeão capixaba série B, mas para isso  o time estrelense passou alguns apertos, na 1ª fase mesmo a classificação só veio na ultima rodada contra o surpreendente Domingos Martins clube criado para esta competição, na 1ª rodada derrota para este mesmo rival sua única em toda competição, após o tropeço o Estrela venceu duas e empatou duas chegando a ultima rodada em casa com 8 pontos, mesmo do Domingos Martins, vantagem no saldo de gols, 3 conta 1, a partida foi nervosa e muito acirrada, no fim o empate em 2x2 garantiu o Estrela e eliminou o Domingo Martins da competição.
Quadrangular final o Estrela enfrentaria o Esporte Clube Rio Branco de Cariacica( fundado por dissidentes do Rio Branco Atlético Clube, que passava pela sua maior crise financeira e política de sua história), Ypiranga de Marataízes e o Riachuelo de Aracruz.


A estréia vitória fora por 2x0 no Rio Branco, na rodada seguinte em casa goleada de 3x0 no Ypiranga, empate com Riachuelo em Aracruz por 0x0 fechando o turno.

Returno novo empate com Riachuelo, este por 2x2 em Cachoeiro, na goleada de 4x1 no E.C Rio Branco o Estrela chegava aos 11 pontos, contra 9 do Riachuelo, a rodada final Estrela jogava fora contra o Ypiranga, Riachuelo também fora encarava o Rio Branco, o Estrela tinha 8 gols de saldo, 6 a mais que o Riachuelo, por tanto o empate

garantia o título, Riachuelo ou vencia e torcida por derrota do Estrela, ou em caso de empate do Estrela deveria vencer por uma diferença de 7 gols pois havia marcado 4 gols contra 11 dos adversários, porém o Riachuelo acabou perdendo para o Rio Branco por 2x0 e em partida eletrizante Estrela derrotou o Ypiranga por 5x4 conquistando a taça de campeão da série B 1999.



1ª fase

Domingos Martins 2x1 Estrela do Norte

Estrela do Norte 1x0 Ypiranga

Tupy 1x1 Estrela do Norte

Estrela do Norte 3x0 Tupy
Ypiranga 0x0 Estrela do Norte
Estrela do Norte 2 2 Domingos Martins

Quadrangular final
Rio Branco 0x2 Estrela do Norte
Estrela do Norte 3x0 Ypiranga
Estrela do Norte 2x2 Riachuelo
Riachuelo 0x0 Estrela do Norte
Estrela do Norte 4x1 Rio Branco
Ypiranga 4x5 Estrela do Norte
Estrela do Norte na semi final estadual de 2000 contra a Desportiva
Em 2000 de volta a Série A aconteceu o mesmo que em 96/97, depois de disputar a Série B voltou mais forte e bem montado, no 1º turno chegou brigando por uma vaga sa semi final do turno mas perdeu por 2x0 para o líder São Mateus e terminou em 6º 3 pontos atrás do 4º colocado.
No returno foi diferente prova disso foram os 6x0 sobre o Santa Maria semi finalista do turno e os 5x1 sobre o São Mateus vice campeão do turno, encerrou o returno em 1º lugar garantindo vaga na semi final contra a Desportiva, por ter melhor campanha jogou em casa pelo empate e o 0x0 colocou o Estrela na final contra o Riachuelo, na ida em Barra do Riacho no Ariobaldo Vieira vitória por 1x0, na volta no Sumaré 2x0 e título do returno e vaga na fase final.
A semi final seria contra a Desportiva novamente, agora na melhor de 3. Na primeira partida no Engenheiro Araripe o Estrela perdeu por 1x0 isso obrigava o Estrela pelo menos empatar na volta, e foi isso que aconteceu empate emocionante em 2x2, isso levava a disputa para a 3ª partida, ela ocorreu novamente no Sumaré pelo Estrela ter melhor campanha, foi um jogo nervoso, polêmico e emocionante, no fim outro empate em 2x2 acabou eliminando o Estrela.
Equipe na Seletiva para a Copa do Brasil 2001
Em 2001 antes do estadual ocorre a Seletiva Capixaba da Copa do Brasil, o Estrela encarou o Rio Branco na primeira fase e avançou após o empate em 3x3 na capital por ter vencido em Cachoeiro na ida, na fase seguinte o rival Cachoeiro foi o adversário, após 1x1 na ida acabou sendo eliminado devido a derrota por 2x1 na volta, de quebra ainda teve que ver o Cachoeiro conquistar a competição. 
No estadual  após 6 vitórias em 17 jogos o Estrela conseguiu a classificação na última rodada apenas, e ela teve um certo gosto de vingança, o time chegou com 24 pontos contra 26 da Desportiva, o Estrela precisava vencer o São Mateus e torcer para a Desportiva perder para o Rio Branco pois em caso de empate o Estrela tinha que tirar 3 gols de diferença, e a Desportiva empatou em 1x1 com o Rio Branco chegando a 27 pontos, enquanto isso o Estrela goleava o São Mateus por 4x0 avançava devido ao saldo de gols, a eliminação de 2000 estava em partes paga.
No Quadrangular final após uma classificação tão heroica o Estrela acabou perdendo as duas partidas iniciais da fase, 4x2 Alegrense fora e 3x2 Serra em casa, nas rodadas seguintes o maior rival Cachoeiro, 2x2 no Moreira Rebello e vitória por 2x1 no Sumaré, mas nada disso adiantava o Alegrense já era campeão antecipado, de consolo foi enfiar 3x0 no campeão Alegrense e esta vitória teve peso muito grande pois deixava o Estrela na vice liderança e ajudado pelo rival Cachoeiro que enfiou 4x0 no Serra praticamente assegurava vanga na Série C. Mas a vaga veio com sofrimento pois a derrota por 2x0 para o Serra deixou o Estrela  correndo risco caso o Cachoeiro marcasse 3 pontos chegaria a 8 mas no fim o Cachoeiro perdeu por 1x0 para o Alegrense e o Estrela do Norte comemorava mas um vice Campeonato Capixaba.
No segundo semestre veio a Série B brasileira, além de 4 equipes baianas o Estrela enfrentaria pela primeira vez o Cachoeiro em uma competição nacional. A campanha foi fraca com 2 vitórias 2 empates e 4 derrotas 56º lugar entre 65 equipes. Nos dois clássicos contra o Cachoeiro 2 empates, espetacular 3x3 no Sumaré e 0x0 no Moreira Rebello. 

No ano de 2002 o Estrela também brigou pelo título, mas a oscilação do time era grande, em algumas partidas o desempenho era muito bom como nos 5x2 no Rio Branco, já em outros era péssimo como nos 3x0 sofridos para o Linhares F.C e para o Veneciano.
As semi finais vieram mas o adversário não era de boas lembranças, o Estrela sofria muito contra o Alegrense mesmo assim venceu por 1x0 e jogava pelo empate no benedito Teixeira Leão, mas o Alegrense era disparado o melhor time do estado e venceu por 3x1 avançando a final onde seria Bicampeão 2001/2002.

Em 2003 o Estrela veio muito forte, destaque para a goleada por 3x0 sobre o rival Cachoeiro e outro 3x0 no Veneciano devolvendo o ano anterior, mas no turno a equipe encerrou em 6º lugar, foi no returno que o time mostrou um futebol forte e competitivo conquistando um recorde de 5 vitórias seguidas. Começou o returno em 0x0 com o CTE m Colatina, depois foi derrotando o Serra em casa por 2x0, goleou o Veneciano como já foi dito aqui, 1x0 no São Mateus em cassa, 1x0 no Rio Branco fora e 2x1 no Tupy em casa, só parou ao empatar em 1x1 com o Vitória fora de casa. Na rodada final do returno estava com 20 pontos contra 19 do Serra, enquanto o estrela encararia o Cachoeiro no Moreira Rebello o Serra jogaria em casa contra o Rio Branco, apenas as duas equipes brigavam pelo título. O Estrela via o Serra vencer no Robertão por 3x1 o Rio Branco e com isso era obrigado a vencer o Cachoeiro para evar o título e conquistar a classificação a fase final, a partida já estava na 2ª etapa no placar de 0x0 e oque se viu após o gol estrelense foi um show de horrores, eram mais de 2500 torcedores "amassados" nas arquibancadas do acanhado Moreira Rebello, que aos 14 minutos após uma jogada polêmica de Alex fazendo um cruzamento meio estranho para a pequena área em que a bola parecia ter saído, mas Carlinhos a salvou e tocou para Reiger, que marcou. A partir daí, não houve mais jogo. Canela jogador do Cachoeiro, partiu para cima do bandeira reclamando de saída da bola e o agrediu, send expulso. Fabiano também partiu pra cima da aritragem e recebeu o cartão vermelho. Minutos depois, os refletores se apagaram. Nesse tempo, Maurício do Cachoeiro que havia sido expulso no primeiro tempo por
agredir o árbitro, retornou do vestiário e agrediu Marcos André Gomes árbibro da partida outra vez. Mas desta vez as agressões foram tão pesadas que ele foi algemado e preso pela Polícia Militar. 
Acha que acabou? Ledo engano, George Martins supervisor de futebol
do Cachoeiro, foi preso em flagrante pela PM com uma peça do disjuntor, acusado de ter provocado o apagão que paralisou a partida. Foram cerca de 40 minutos de paralisação
Isso mexeu com os ânimos fora das 4 linhas e passou para a arquibancada,  torcedores do Estrela começaram um quebra-quebra, balançando o alambrado do estádio. Zanatta técnico do Cachoeiro, foi visto pedindo para que os jogadores caíssem em campo a fim de encerrar a partida. Não deu outra. Logo após voltar a partida, Jacques caiu em campo. Cinco minutos depois, Colméia tentou cavar uma expulsão agredindo Alex do Estrela, mas o lateral cachoeirense acabou apanhando da Policial Militar e saiu de campo numa maca. Após reclamação, o técnico Zanatta também levou cartão vermelho. Com dois jogadores fora de campo e mais as três expulsões, o árbitro paralisou
novamente a partida. Foi então que Marcos André após mais de uma hora de paralisação somando tudo  decidiu encerrar o jogo por falta de número mínimo de jogadores em campo, e com esta vitória o Estrela conquistava o título do returno e vaga na fase final d estadual. 
Escalação do Estrela: Erivelton, Alex, Felipe, Chagas e Carlinhos; Marcão, Rogério (Joilson), Marcelo Cardoso, Boiadeiro (Neomar); Reiger e Quirino. Técnico: Robertinho. 
Escalação do Cachoeiro: Daniel, Alagoano, Canela e Fabiano; Maurício, Baiano (Rincon e Paulo César), Colméia, Guliti e Eguinho (Jaques); Vitinho e Flavinho. Técnico: Armando Zanatta. 
No Quadrangular Final começou empatando em 2x2 com o Serra em casa, perdeu para o Alegrense carrasco nos últimos 3 anos, empatou com CTE em 1x1 ambas fora, no Returno novo 1x1 com CTE. A rodada seguinte o Estrela com apenas 3 pontos fez parte da festa do Serra pois a derrota por 2x1 para o adversário no Robertão valeu o estadual com uma rodada de antecipação, se despediu derrotando o Alegrense por 1x0 encerrando em 4º lugar neste estadual.


2003
Pouco tempo depois veio a 1ª edição da Copa Espírito Santo. O sistema de disputa era turno e returno com o campeão de cada turno fazendo a final, caso o mesmo time conquistasse ambos os turnos era campeão antecipado.
A estréia foi com vitória, 3x1 na Desportiva, após esta partida vieram mais duas vitórias, contra Rio Branco e Cachoeiro e empate com o Serra, na última rodada do turno chegavam Estrela e Serra 10 pontos na liderança com o Serra liderando no saldo de gols 7 contra 6 do Estrela, o Serra enfrentava o Cachoeiro e o Estrela o Tupy, no fim com uma "ajuda" do arqui rival Cachoeiro que perdeu por apenas 1x0 o Estrela goleando o Tupy por 4x0 conquistava o turno no saldo de gols 10 contra 8 do Serra.
Returno O Estrela só foi vencer na 3ª rodada, 1x0 no Serra,o time entrou de vez na briga pelo título do returno ao aplicar uma incrível e histórica goleada de 7x1 no Cachoeiro seu maior rival, Eraldo 4 vezes, Quirino 3 e Ronicley 1.
Em 7 de dezembro de 2003 o Estrela chegava na última rodada com 8 pontos contra 10 do Rio Branco, um simples empate com a Desportiva já eliminada dava o título do returno ao Rio Branco, mas oque se viu foi algo inacreditável, o time capa preta entrou com salto alto e a Desportiva simplesmente aplicou a maior goleada do maior clássico capixaba, com um time cheio de garotos a Tiva "enfiou" 5x0 no Rio Branco, que agradeceu foi o Estrela que voltou a golear o Tupy por 4x0, Iomísio, Luciano, Jaélson e Eraldo marcaram os gols do título desta vez em Vila Velha e levou o troféu da 1ª Copa Espírito Santo quebrando o jejum de títulos contra equipes da Série A.

Turno
Estrela do Norte 3x1 Desportiva
Estrela do Norte 3x1 Rio Branco
Serra 1x1 Estrela do Norte
Cachoeiro 1x3 Estrela do Norte
Estrela do Norte 4x0 Tupy

Returno
Desportiva 1x1 Estrela do Norte
Rio Branco 1x1 Estrela do Norte
Estrela do Norte 1x0 Serra
Estrela do Norte 7x1 Cachoeiro
Tupy 0x4 Estrela do Norte 

O campeão da Copa ES ainda tinha outra Série C do Brasileiro peça frente. Caiu no Grupo 18 com Ipatinga/MG, Vila Nova/MG e a Desportiva. Começou com 0x0 sem graça em casa contra o Villa Nova, na rodada seguinte boa vitória por 2x1 sobre a Desportiva no Engenheiro Araripe e fechando o turno 1x0 no Ipatinga, isso colocava o Estrela entre os dois classificados, os 3x0 sofridos pelo Ipatinga deixaram o grupo embolado com os 4 brigando pela vaga, mas a vitória por 1x0 sobre a Desportiva no Sumaré colocou o Estrela com 10 pontos contra 6 do rival e com isso garantia o Estrela na fase seguinte, a vitória por 2x1 sobre o Villa Nova em Minas marcou a primeira vitória fora do estado, em 5 de outubro. No mata mata veio o Bragantino/SP, na ida no Sumaré em 13 de outubro 2x2 no placar. na volta no Marcelo Stéfani o Estrela caiu por 2x0 sendo eliminado pelos paulistas, o Estrela foi o 33º entre 93 equipes.
Estrela na vitória por 2x1 sobre a Desportiva no Engenheiro Araripe

Em 2004 algumas vitórias inesquecíveis do Estrela neste estadual, os 7x0 sobre o São Mateus e os 4x1 na Desportiva a primeira vez que goleava assim o rival que tanto lhe causa problemas. Brigou o tempo todo com o Serra pelo título, foi o único que realmente fez frente ao Serra, tanto que na rodada final após derrotar o Rio Branco por 2x0 chegou com 35 pontos empatado com o Serra, porém este estadual contava com 9 equipes e o Estrela folgaria na última rodada e ficava secando o Serra contra o CTE Colatina, apenas uma derrota do time serrano dava o título ao estrela no returno. Mas não teve jeito o Serra enfiou 4x1 no CTE e conquistou o título, oque desequilibrou este duelo foram os confrontos diretos pois o Serra venceu por 3x2 em casa e empatou em 2x2 fora. Destaque para Leandro Tatu que foi o artilheiro do estadual com 12 gols,  foia primeira vez na história do estadual que o Estrela do Norte teve um artilheiro.



Defendendo o título da Copa ES o Estrela ia na contra mão doa adversários que  montavam elenco apenas para não ficar parados o resto do ano no calendário defasado capixaba, o Estrela foi o único clube que realmente se interessava em vencer esta competição por tanto se arriscava mais nela, os outros times jogavam por jogar, isto facilitava uma briga pelo título.

Em 2004 o competição contou com apenas 4 clubes, Estrela de Norte, Vitória, Desportiva e Rio Branco, Estrela de Cachoeiro Ltda e Nova Venécia desistiram. O regulamento era  mesmo de 2003.
No 1º turno o Estrela empatou com Rio Branco e Vitória e venceu a Desportiva, e no saldo de gols levou o turno 5 gols marcados 4 sofridos, o Rio Branco marcou 3 sofreu 2.


No returno após vencer o Rio Branco e empatar com o Vitória, o Estrela dependia apenas de sí para ser campeão, na rodada final encarava a Desportiva já sem chances de classificação, o Rio Branco encarava o Vitória, ambos precisando vencer e secar o Estrela, o Vitória venceu o clássico por 3x1 chegando aos 5 pontos, porém o Estrela também venceu a Desportiva pelo mesmo placar e chegou aos 7 pontos levando assim o troféu de campeão da Copa ES 2004, título é título mas nesta época o estadual já era sem graça e sem atrativos imagine a Copa Espírito Santo que era apenas tapa buraco. O estrela ue não tinha nada com isso venceu com gols de  Kanu (2) e Marcelo Pelé em 16 de outubro de 2004.


Campanha
Turno
Rio Branco 1x1 Estrela do Norte
Estrela do Norte 2x2 Vitória
Desportiva 1x2 Estrela do Norte
Returno
Estrela do Norte 2x1 Rio Branco
Vitória 1x1 Estrela do Norte
Estrela do Norte 3x1 Desportiva
No segundo semestre outro Brasileiro, já havia virado rotina. Foi o mesmo grupo de 2003 porém agora o Serra era o adversário capixaba. A estréia foi em casa com derrota por 1x0 para o Villa Nova, mostrava que este anos seria de vacas magras. Depois do 1x1 com o Serra fora a única vitória nesta edição da Série C, 3x2 sobre o Ipatinga em Minas Gerais deu uma ilusão de reação mas o 0x0 com o próprio Ipatinga em casa esfriou os ânimos...O 3x2 pra o Serra em casa eliminaram o Estrela da competição que ainda perderia por 3x0 para o Villa Nova em MG. A modesta 52º colocação entre 60 equipes foi para se esquecer.


Em 2005 a batalha pelo título estadual se concentrou novamente entre Estrela e Serra. No turno deu Serra com 22 pontos contra 18 do Estrela. Se no turno o Estrela venceu 6 dos 8 compromissos, no returno venceu apenas 3 isso colocou o time apenas na 5ª posição, sorte do Estrela que o Serra chegou 1 ponto atrás do São Mateus líder, isso evitou o Serra de ser campeão antecipado. Agora eram as semi finais por ter a melhor campanha fora dos campeões de cada turno o estrela entrou no mata mata, o adversário o São Mateus. Na partida de ida empate em 1x1 no Sernamby com Willian marcando para o Estrela oque seria o gol da classificação pois na volta o 0x0 classificou o Estrela por ter melhor campanha. 

Agora Serra seria o rival a ser batido para chegar ao título inédito estadual. na ida no Sumaré com gols de Fernando, Vinícius e Ewerton o Estrela venceu por 3x2 e agora precisava "apenas" do empate para ser campeão, mas a partida era no Robertão, e lá era dureza sair com qualquer resultado positivo neste período de 2003-2005, e o Serra venceu bem, 4x2 e levantou o tricampeonato consecutivo. Durante o estadual veio a estréia na Copa do Brasil, em uma partida empolgante jogou de igual para igual com o Atlético/MG no Sumaré, a partida foi transmitida ao vivo na TV aberta e o 4x3 para o Atlético passou ótima imagem do desconhecido Estrela para os telespectadores de outros estados. Mas a volta no Mineirão foi desastre total, o Atlético atropelou por 6x0.

 O vice estadual valeu outra vez vaga na Série C, mas esta só veio depois de uma enorme briga na justiça a FES (Federação de Futebol do Espírito Santo) que indicou Desportiva e Rio Branco melhores capixabas ranqueados  respectivamente, mas Serra e Estrela não ficaram nada satisfeitos, isso levou a briga pelas vagas para a justiça no fim Serra e Estrela foram para a disputa. 

Na chave outra vez Serra e Ipatinga, desta vez o 4º integrante era o Americano/RJ. A estréia deu Estrela 2x1 no Ipatinga em casa, derrota por 2x1 para o Americano fora e 2x1 para o Serra também fora. No returno as duas partidas em casa eram a grande chance de avançar, mas os dois empates em 1x1 com Americano e Serra respectivamente eliminaram a equipe que deu adeus perdendo por 2x0 para i Ipatinga no "Vale do Aço". O estrela repetiu a 52º posição do ano anterior porem desta vez eram 63 equipes.
Antes da Série C o Estrela sagrou-se tricampeão da Copa ES, era time a ser batido nesta competição, isso compensava um pouco os vice seguidos do clube no estadual. A campanha foram 12 partidas 8 vitórias com 18 gols marcados 9 sofridos, a única derrota foi faltando duas rodadas para o fim quando perdeu para o Jaguaré por 2x0 fora de casa. O Estrela chegava a rodada final com 24 pontos contra 21 do próprio Jaguaré, enquanto o Estrela encarava o Linhares em casa o jaguaré encarava o Vilavelhense fora, o Estrela jogava pelo empate para se tornar campeão, já o Jaguaré precisava vencer e torcer por derrota estrelense, venceu por 4x3 fazendo a sua parte mas o Estrela atropelou o Linhares por 3x0 e comemorou o tricampeonato, Glaucivam, André e Martins fizeram os gols do título.


Chega 2006 e o Estrela brigando pelo título estadual novamente, agora o Serra não era mais o rival a ser abatido na briga, tanto eu goleou o mesmo por 3x0 em plena casa deles, os 5x0 no São Mateus em casa também merecem destaque. A vaga nas semi finais foram conquistadas já no turno. O melhor colocado do grupo A encarava o melhor do B o Estrela encarou o Linhares F.C em duas partidas, passou sem dificuldades, 2x1 em Linhares com Gustavo e Kanu marcando , o 2x1 na volta se repetiu com Ronei marcando os 2 gols estrelenses. No returno já classificado chegou 4 pontos atrás do líder Vitória que ao derrotar o Jaguaré garantia a vaga na final contra o próprio Estrela.

Na partida de ida Eduardo Farah marcou para o Estrela e Elivelton para o Vitória decretando empate em 1x1 que obrigava Estrela vencer no Salvador Costa. Mas na volta não teve jeito e o Estrela sucumbiu a pressão alvianil e terminou perdendo por 3x1 chegando ao seu incrível e incômodo 5º vive o 3º consecutivo.
Nesse estadual veio a segunda participação de Copa do Brasil, agora o Estrela encarou o Guarani/SP, na ida no Sumaré empate em 1x1, já na volta em Campinas derrota por 3x0 e adeus na 1ª fase.

Vem a 4ª Copa ES e adivinhem quem briga pelo título? Após encerrar a 1ª fase em 2º na sua chave o Estrela avança de fase, mas lá sofre bastante pois só consegue a vaga para a final na última rodada, Estrela e Serra chegavam com 8 pontos com vantagem para o time serrano no saldo de gols, enquanto o Serra encarava o Vilavelhense líder isolado o Estrela encarava o Linhares jé eliminado. No Robertão o Vilavelhense deu uma bela força ao Estrela vencendo por 3x2 enquanto isso com gol de Glaucivam o Estrela empatava em 1x1 e avançava por 1 ponto para a final.

Na final o Vilavelhense clube emergente no estado. Na partida de ida no Sumaré o sonho do tetra começou ficar distante com a derrota por 1x0, agora precisando vencer por 2 gols de diferença o Estrela não conseguiu sequer marcar dois gols e acabou com derrota por 3x1 ficando com o vice. $ disputas 4 finais 3 títulos era um aproveitamento assombroso, mas depois disso o time se afastou desta competição não a disputando mais. 


No Brasileiro Série C do mesmo ano outra vez Americano/RJ e Ipatinga/RJ como rivais, o outra foi Juventus/SP. No turno o Estrela perdeu as 3 partidas, 1x0 em casa para o Ipatinga, 2x1 para o Americano e 4x1 para Juventus ambas fora. No returno 1x0 sobre Juventus colocava eles vivos ainda, mas a derrota por 2x1 para o Americano no Sumaré eliminou a equipe que se despediu derrotando o Ipatinga por 1x0 fora. Posição 43 entre 64 participantes.


O ano de 2007 trouxe uma grave crise ao time estrelense, a torcida estava costumada a brigar por títulos nestes anos 2000, mas na campanha de 9 jogos apenas duas vitórias e o atual tri vice campeão capixaba chegava a última rodada com apenas 9 e era rebaixado ao ser derrotado por 2x1 pelo também rebaixado Vitória, coisas do futebol, no ano anterior era a grande final e agora de forma melancólica ambos morriam abraçados, detalhe o Vitória até então não havia vencido uma partida sequer.



Em 2008 no Capixaba da 2ª divisão o Estrela até mostrou força e terminou a 1ª fase da Série B com a melhor campanha com 6 vitórias 2 derrotas em 8 jogos. Mas nas semi finais na hora de conquistar o acesso parou no Grêmio Laranjeiras. Após empatar por 1x1 na Serra o Estrela poderia até empatar mas acabou sendo derrotado dentro de casa por 1x0 dando adeus a Série A de 2009.

Em 2009 sequer disputou a Série B capixaba retornando em 2010 quando conquistou a vaga para a semi final novamente. Agora o  Colatina era o rival na briga pelo acesso, a exemplo de 2007 empatou na ida fora de casa (2x2) jogando pelo empate em casa, desta vez não deu sopa para o azar e venceu por 3x2 conquistando  acesso a Série A após 3 anos. 

Na final encarou o Aracruz, após 0x0 na ida foi derrotado por 2x0 na volta ficando com o vice campeonato da Série B no mês de abril. Mas a alegria só durou até 8 de agosto quando o Estrela foi punido com a exclusão do estadual daquele ano, devido a falsificação de um laudo médico, apresentado antes da disputa da série B, o clube foi punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD-ES) e viu a sua vaga ficar com o Colatina Sociedade Esportiva. A decisão foi tomada no dia 08 de agosto de 2009.

Em 2012 após 1 ano longe de competições oficiais o Estrela entra para conquistar o acesso da Série B e de quebra levar o título. Na 1ª fase campanha sem sustos encerrou em 1º lugar  com 24 pontos, 7 vitórias em 12 jogos. Nas semi finais o Vilavelhense seria o rival direto na briga pelo acesso, venceu a partida de ida por 1x0 e agora poderia perder por até 1 gol de diferença para avançar a final e subir de divisão, oque a torcida não contava era o tamanho do sofrimento na partida de volta, o Vilavelhense chegou abrir vantagem que o classificaria mas o Estrela buscou a vaga e com a derrota por 3x2 estava na final contra a Desportiva.

Por ter melhor campanha jogava e casa por 2 resultados iguais, a derrota por 2x1 no Engenheiro Araripe não abalava em nada a confiança do torcedor estrelense, e ele tinha certa razão pois comemorava o título até os acréscimos quando Hércules empatou a partida e 1x1 para a Desportiva tirando o título das mãos do Estrele comprovando que a Desportiva era mesmo o seu maior carrasco e partidas decisivas, claro que o Estrela já se deu bem contra a Desportiva algumas vezes mas Desportiva era o pior adversário a se enfrentar ao lado de  Serra e Alegrense.

2013 o retorno a elite estadual não teve muito que comemorar o Estrela foi apenas o 8º colocado com 22 pontos, pelo menos se salvou do rebaixamento pois Espírito Santo com 6 e Rio Branco com 15 foram os dois rebaixados a Série B 2014.







Em 7 de junho de 2014 enfim o Estrela do Norte tirava o pé a lama e conquistava o 1º título da Série A.
O estadual foi disputado em turno e returno com os 4 melhores avançando a semi final em mata mata. 
O time apostou em um treinador e jogadores de fora do estado principalmente do Rio de Janeiro, surtiu efeito a equipe venceu as primeiras 5 partidas, após a derrota para o São Mateus o Estrela caiu de produção, empatou 4 das 6 partidas seguintes, um venceu no W.O. A classificação mesmo com alguns tropeços não corria risco, graças ao péssimo rendimento do trio Desportiva, Vitória e Real Noroeste que não assustavam a 3º posição do time, a classificação veio antes mesmo da última rodada, agora era pensar na semi final.

Semi final
O Estrela 3º encarou o São Mateus vice líder, na 1ª fase os mateenses venceram as duas partidas inclusive uma por 4x0 no returno, o otimismo era total, melhor campanha vantagem no ano, na ida no Sumaré o São Mateus acabou vencendo por 2x1 aumentando ainda mais o otimismo deles de contra partida a torcida estrelense já havia perdido a paciência com o time, será que a maldição do jejum do título se manteria?
Na partida de volta no Sernamby oque se viu foi um Estrela atropelando o São Mateus, Luizinho, Geraldo e Alcir marcaram os gols da goleada de 3x0 sobre um adversário cheio de soberba que caia feio dentro de casa.

Final
Agora era o Linhares F.C melhor campanha da 1ª fase o adversário...
Na partida de ida as redes não balançaram, ficando para a volta a decisão...
A partida foi truncada, a partida foi aberta em relação o vencedor, ambos poderiam ter marcado até mais que um gol, porém o gol que decidiu o título aconteceu aos 21 minutos do 2º tempo, Geraldo artilheiro do estadual com 10 gols marcou o gol do troféu!!!
Fim de partida e pelo 3º ano seguindo o Estádio do Bambu via a festa do campeão Estrela do Norte Futebol Clube.(Aracruz 2012, Desportiva 2013)

Curiosidade é que o estadual terminou como começou, com o Estrela vencendo o Linhares por 1x0.
Enfim o Estrela se livrava de uma piada antiga, o Cachoeiro seu maior rival era o único a ser campeão capixaba, oque gerava muitas piadas, agora depois de décadas os dois estavam quites finalmente.

Ficha da partida
LINHARES 0x1 ESTRELA DO NORTE
Local: Bambu (Aracruz - 15h00);
Público: 1.698; Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES);
Gol: Geraldo 21' do 2º; Cartões Amarelos: Arthur,
Breda, Paulinho Pimentel, Wilker, Paulo Matos, Adriano,
Geraldo, Preto, Paganelli e Ferrugem; Expulsão: Wilker.
LINHARES: Merivaldo, Bruninho, Breda, Waguinho e
Ratinho; Alemão Muriçoca, Caio, Wilker e Eduardo;
Paulinho Pimentel e Cícero Bóbbio (Arthur). Técnico: Roberto Calmon.
ESTRELA DO NORTE: Wagner, Ferrugem, Paganelli, Jair e Adriano;
Juninho (Pablo), Luizinho (Luiz André) e Preto; Paulo Matos,
Geraldo e Hernandes. Técnico: Dário Lourenço.

1º Turno
Estrela do Norte 1x0 Linhares
Estrela do Norte 2x0 Vitória
Botafogo 1x3 Estrela do Norte
Real Noroeste 1x2 Estrela do Norte
Estrela do Norte 3x0 Castelo
Estrela do Norte 0x1 São Mateus
Colatina 0x1 Estrela do Norte
Estrela do Norte 1x1 Desportiva

2º Turno
Linhares 1x1 Estrela do Norte
Vitória 2x2 Estrela do Norte
Estrela do Norte 3x0 Botafogo *
* Vitória por W.O devido abandono do Botafogo de Jaguaré que usava o nome fantasia de Conilon.
Estrela do Norte 0x0 Real Noroeste
Castelo 2x0 Estrela do Norte
São Mateus 4x0 Estrela do Norte
Estrela do Norte 3x0 Colatina
Desportiva 0x0 Estrela do Norte

Semi final
Partida de ida
Estrela 1x2 São Mateus

Partida de volta
São Mateus 0x3 Estrela

Final
Partida de ida
Estrela 0x0 Linhares

Partida de volta
Linhares 0x1 Estrela




Estadual de 2016 partida noturno na 1ª fase.
No segundo semestre a primeira participação na Série  do Brasileiro,Estrela caiu o grupo 18 com Brasiliense/DF, Anapolina/GO, Itaporã/MS e Villa Nova/MG. A estréia foi com derrota por 3x0 para o Brasiliense fora de casa, em casa um emocionante 4x3 sobre o Anapolina, contra um velho conhecido o Villa Nova empate em 1x1 em casa, a derrota por 1x0 para o Itaporã complicaria a sequência pois a mesma abandonaria a competição, bom que o Estrela derrotou o Villa Nova por 2x1 em Minas Gerais e depois fez 3x1 sobre o Itaporã em casa, o empate em 0x0 com o Anapolina colocava o Estrela com 11 pontos contra 7 do Anapolina porém o Estrela teria apenas mais uma partida pela frente e o Anapolina duas, uma delas já com os pontos garantidos pois o Itaporã havia abandonado a competição perdendo os últimos 2 jogos por W.O (3x0), com isso o Anapolina na verdade possuía 10 pontos contra 11 do Estrela, a 9ª rodada que decidiria o classificado entre os dois pois Brasiliense assistia tudo de camarote já classificado. O Estrela em caso de vitória chegaria aos 14 pontos e não seria alcançado pelo Anapolina porém apenas empatou por 1x1 e viu o Anapolina derrotar o Villa Nova em MG por 2x1 e com isso chegar aos 13 pontos contra 12 do Estrela, infelizmente ali se encerrava a competição para a equipe do Sul capixaba na 23º posição entre 41 equipes. 

Em 2015 pela primeira vez o Estrela sentia o gostinho de ser o campeão capixaba defendendo o título, avançou com 13 pontos e 2º lugar na 1ª fase na Chave Sul junto com Desportiva e Atlético Itapemirim, destacar os clássicos do Sul contra o Castelo com um 0x0 em Castelo e vitória por 1x0 em casa, contra o Atlético Itapemirim, venceu uma por 1x0 e perdeu a outra pelo mesmo placar, com isso o Estrela foi para o Hexagonal Final.
Lá começou com derrota por 1x0 para o Atlético Itapemirim, derrotou a Desportiva por 3x0, 0x0 com Linhares, derrota por 1x0 para Rio Branco, fechou o turno com um jogo a menos devido a participação na Copa do Brasil e Copa Verde. Empate em 2x2 com a Desportiva já pelo returno, goleou o Linhares por 4x1 mas acabou sendo goleado pelo Real Noroeste por 3x0. Esta goleada de 3x0 custou muito caro pois com 11 pontos não tinha mais possibilidades de alcançar a Desportiva que tinha 16 restando apenas 3 pontos em jogo dando adeus ao sonho do bicampeonato, na rodada final se despediu com 0x0. Durante o estadual disputou outra Copa do Brasil e uma inédita Copa Verde contra equipes do Norte e centro Oeste do Brasil. na Copa do Brasil encarou o Sampaio Correa/MA, na ida no Sumaré o Estrela estava arrasador, chegou abrir 3x0 com David aos 31 e Carlos Alberto aos 47 do 1º tempo e Carlos Alberto novamente aos 16 do 2º de pênalti, mas claramente o time cansou e devido a mexidas erradas o time recuou e chamou o adversário para cima, resultado aos 26 Geraldo diminuiu e aos 38 Robert colocou 3x2 no placar deixando a volta no Maranhão em aberto.
E lá o Sampaio abriu logo aos 15 fez 1x0 oque eliminava o Estrela, aos 7 do 2º tempo Diones fez 2x0 deixando mais complicado, mas um gol ainda salvava o Estrela e Ferrugem aos 32 fez o gol que classificaria o time capixaba, mas 4 minutos depois Robert fez 3x1 Sampaio e o Estrela se jogou ao ataque na base do desespero, tem chances mas Robert aos 44 matou de vez arcando 4x1.

Na Copa Verde após dois empates em 1x1 com o Luziânia/DF a decisão foi para os pênaltis. 

Ítalo perdeu para os donos da casa, Ferrugem também perdeu para o Estrela, Aldo marcou, Zezão também, Chefe perdeu,
e David colocou Estrela na frente, China empatou, Léo Santos fez 2x3, Marllon empatou tudo em 3x3. A 5ª cobrança do Estrela ficou a cargo de Felipe Rafael, que marcou classificando o time capixaba por 4x3 na decisão por pênais.
Na fase seguinte veio o Cuiabá/MT, na ida no Sumaré o Estrela acabou sendo derrotado por 1x0. na volta em Cuiabá sofreu 1x0 logo aos 4 minutos de jogo, empatou apenas aos 4 do 2º, mas como precisava vencer empatou em 1x1 foi eliminado, o Cuiabá eliminava o segundo capixaba seguido já que em 2014 na 1ª edição eliminou a Desportiva.

Vem 2016 era um dos anos mais importantes da história do  Estrela do Norte Futebol Clube, o clube completava 100 anos de fundação, mas a verdade é que o time não criava muito expectativa em seu torcedor, isso ficou bem claro na estréia quando perdeu por 2x0 para o Atlético Itapemirim em casa, se recuperou ao derrotar o Doze F.C por 2x0, mas as partidas seguintes ligaram o sinal de alerta no Sumaré, 0x0 com Espírito Santo, derrota por 1x0 para a Desportiva, o Estrela reagiu ao derrotar o Atlético Itapemirim por 1x0 mas o 0x0 com o Doze em casa acabou de vez com a paciência da torcida alvinegra, depois da derrota por 2x0 para o Espírito Santo o Estrela precisava desesperadamente da vitória contra a Desportiva para fugir do Quadrangular da Morte que reuniria os 2 últimos das Chaves Sul e Norte. Mas oque se viu foi derrota por 2x1 e o Estrela agora brigaria contra o rebaixamento. 

No Quadrangular da Morte começou da pior forma possível derrota por 4x0 para o São Mateus, venceu o Sport Linharense por 2x0 mas perdeu duas vezes para o Doze, 2x1 e 1x0, a situação estava gravíssima tanto que o Estrela poderia ser rebaixado já na próxima rodada. 
Dia 6 de abril um dia tenebroso na história do Estrela, Julio Cezar fez 1x0 Sport Linharense, Elkinho empatou, mas Julio Cezar novamente e Gema abriram 3x1, Alemão Muriçoca diminuiu mas com a derrota por 3x2 o Estrela do Norte era rebaixado em pleno seu centenário, a maldição do centenário abatia mais um clube, diz a lenda no futebol que quando um clube completa 100 anos não consegue bons resultados, temos vários exemplos um deles no próprio Espírito Santo com o Rio Branco rebaixado em 2013 em pleno centenário. 
Jornal Capichaba (isso mesmo com CH e não X) relatando amistoso entre Vitória e Estrela
Estrela na partida diante do Botafogo/RJ em 1961 Em 7 de setembro de 191 o Estrela do Norte encarou o Botafogo clube que claramente foi sua inspiração, O Botafogo tinha a base da seleção brasileira campeão do mundo em 1960, nesta partida a qualidade carioca ficou evidente com os 6x2 no placar.  O Botafogo começou com Manga, Cácá, Zé Maria, Nilton Santos e Chicão; Airton e Didi; Garrinha, Amoroso, Amarildo e Zagalo.




Raridade Estrela Football Club 1929






3 comentários: